Select your location
Internacional - Inglés

Cosentino revela os novos desafios da indústria do design em estudo da ASID

Noticias, Top Trends

O Grupo Cosentino, empresa global líder na fabricação e distribuição de superfícies inovadoras, colaborou com a American Society of Interior Designers (ASID) no desenvolvimento de um estudo que tenta analisar o futuro e os novos desafios que o design de interiores deve enfrentar após o surto de COVID-19.

O Relatório de Resiliência de Design de Interiores ASID de 2020 divulgou os resultados de sua primeira fase, conduzida durante o verão de 2020, que investigou a resiliência do design de interiores, examinando o impacto da pandemia, a resposta dos profissionais de design de interiores e as mudanças necessárias para que o segmento avance.

O estudo, que também contou com a colaboração de Benjamin Moore (tintas) e do grupo Emerald, enfocou áreas como impacto, resposta, mudanças no design e formas de construir saúde e exercer a resiliência na profissão.

Impacto

Independentemente de idade, sexo, status, localização, empresa ou experiência, todos foram afetados pela COVID-19. Os entrevistados relataram algum nível de impacto em pelo menos uma das cinco áreas: vida em geral, país/cidade, empresa, indústria/negócios de design de interiores e educação em design de interiores. Embora a preocupação geral devido ao impacto da COVID-19 tenha diminuído desde seu pico (março-abril de 2020), a maioria dos profissionais de design de interiores ainda expressa grandes preocupações (conforme medido em julho de 2020).

O impacto é percebido como uma experiência coletiva e compartilhada e está interligado com a vida pessoal e profissional. As vidas dos entrevistados são multifacetadas e intrincadamente entrelaçadas com a sociedade externa e mais ampla, e seu bem-estar social era mais baixo durante esse período de distanciamento físico. 73% relataram experimentar “Burnout” em alguma frequência, com grande impacto no bem-estar pessoal.

Resposta

A indústria do design fez as mudanças e ajustes necessários, focados especificamente no trabalho remoto, tecnologia, infraestrutura, recursos e suporte. Os participantes do grupo focal relataram diferentes graus de preparação, com alguns passando por uma transição contínua e outros enfrentando um ajuste mais longo. Os designers também apostaram na transição de clientes para uma relação de trabalho virtual. Dentre essas modificações, destaca-se o trabalho remoto (69%) e um maior suporte virtual aos clientes. Por exemplo, empresas de médio e grande porte estão mais abertas a demonstrações virtuais de produtos, e freelancers e grandes empresas veem mais oportunidades na consultoria virtual.

Designers colaboraram para criar soluções. Com uma maior consciência do papel do ambiente construído na saúde devido à pandemia, as necessidades do cliente mudaram e os profissionais voltaram-se para acomodar novos pedidos. Participantes de grandes empresas mencionaram que incluíram especialistas médicos, engenheiros de HVAC (Aquecimento, Ventilação e Ar-Condicionado) e higienistas industriais nas equipes de projetos. Alguns fizeram parceria com desenvolvedores de produtos na criação de soluções inovadoras e quase metade (48%) dos líderes de negócios (incluindo os autônomos) fizeram alterações nas estratégias de negócios (com 34% fazendo alterações nas estratégias de marketing).

Mudanças no Design

Este é um momento de reavaliar e desafiar a profissão a reinventar um futuro melhor. Toda a cadeia envolvida concorda que as mudanças no design de interiores são esperadas devido à COVID-19 e necessárias para o futuro do segmento. 45% dos entrevistados afirmaram que as mudanças nas políticas públicas estão entre os desafios do pós-COVID-19.

Os designers esperam que grandes mudanças aconteçam em seu processo. Áreas como móveis, utensílios e seleção de equipamentos (48%), e construção e instalação (46%), são as principais áreas que mais deverão sofrer alterações, dada a necessidade de evitar o contato físico. Mas também a cadeia de suprimentos (61%) e a entrega (57%) são setores nos quais os designers identificam a necessidade de mudança.

O design sempre foi focado no futuro, pois identifica as melhores soluções para as pessoas, e os designers esperam que grandes mudanças ocorram, especialmente, em locais de entretenimento e instalações de convivência compartilhada. São esperadas modificações em saguões de elevadores (79%), no saguão do edifício/escritório (75%), vias de circulação (74%), banheiros (69%) e entradas de edifícios (66%).

Muitos veem o trabalho remoto como algo que veio para ficar, portanto, adicionar um espaço de escritório em casa (75%) domina a classificação das novas necessidades a serem consideradas nos projetos. Assim como tecnologia adicional em casa (68%), vida limpa (67%) e melhores opções de vida ao ar livre (62%). Portanto, a qualidade do ar e o layout espacial estão no topo ao classificar os componentes espaciais que precisam ser melhorados após a COVID-19.

Construindo Saúde e Exercitando a Resiliência 

Construir confiança no design será mais importante do que nunca. Os designers devem demonstrar o impacto do design na experiência humana por meio de resultados comprovados e promover o valor do design. “À medida que saímos do isolamento e do bloqueio, e o design e a construção começam a se recuperar, vemos o design se tornar ainda mais empático. Os projetos amigáveis, atraentes, acolhedores e seguros serão mais importantes do que nunca e nós, como designers, precisaremos transmitir tudo isso com forma, materiais, tecnologias, enfim, tudo o que está à nossa disposição ”, diz Greg Keffer do Grupo Rockwell no relatório.

O foco na saúde e no bem-estar será a norma, com maior conscientização por parte dos clientes. Designers são centrados nas pessoas e visam criar soluções que satisfaçam suas necessidades, incluindo a necessidade fisiológica mais básica de saúde e bem-estar.

Veja o estudo completo (em inglês):


Previous article
Cosentino destaca a beleza e inovação dos seus produtos no projeto Janelas CASACOR São Paulo