Select your location
Internacional - Inglés

Temos de mudar a forma como nos relacionamos com os alimentos

Notícias

Há alguns anos atrás, os filmes futuristas mostravam um século XXI em que os alimentos haviam sido substituídos por uma pílula que cobria todas as necessidades nutricionais. Nada está mais longe da realidade, o consumidor atual exige, todos os dias, com maior intensidade, alimentos saudáveis ​​e seguros, além dos naturais, facilidade e rapidez de preparo, prolongando a vida útil do produto e, é claro, sem abrir mão do prazer de comer. Nas últimas décadas, presenciámos também uma grande revolução em todos os campos, incluindo o alimentar, com um aumento espetacular nos níveis de segurança alimentar, suportados por novas ferramentas tecnológicas.

 

O paradigma da Segurança Alimentar mudou de propósito…e de objetivos

 

Apesar de toda esta evolução, estas melhorias são inúteis se não levarmos em conta os grandes desafios que estamos a enfrentar. Existem novos e antigos problemas que influenciam diretamente nossa dieta e comprometem a nossa segurança alimentar: mudanças climáticas, desperdício de alimentos, exploração excessiva de recursos, contaminantes como micro plásticos, super bactérias…. a maioria deles está ligada à nossa maneira de consumir.

A situação atual deve ser abordada com um novo conceito global de alimentos que envolva múltiplos fatores que devem ser levados em consideração na hora de obter alimentos seguros. Por um lado, estamos preocupados com a segurança e a qualidade dos alimentos que consumimos e, por outro, com a sustentabilidade e o cuidado com o meio ambiente, mas são dois lados da mesma moeda.

Os consumidores têm de mudar a sua relação com os alimentos

O nosso objetivo é obter alimentos saudáveis, seguros e nutritivos… mas, para isso, precisamos de pensar globalmente, e de abordar outras questões. Enfrentamos sérios problemas, com grande impacto na nutrição e na segurança dos alimentos que ingerimos:

  • A mudança climática e a destruição de ecossistemas, a super exploração de recursos tão preciosos quanto a água;
  • Poluição de terras e oceanos (fertilizantes, micro plásticos …);
  • Proliferação de infeções transmitidas por alimentos e super bactérias resistentes a antibióticos;
  • Desperdício de alimentos: 1/3 dos alimentos produzidos no mundo são desperdiçados com o sério impacto social, económico, humanitário e ambiental que isto representa.

Para resolvermos isto, temos que seguir três caminhos:

  • Desenvolvimento de sistemas de produção sustentáveis ​​e protetores do meio ambiente.
  • Planejar uma dieta saudável acompanhada de boas práticas de fabricação e manuseio.
  • Consumo responsável (local, sazonal …) e redução de desperdício de alimentos.

 

Fatores que contribuem para a propagação de doenças a animais e humanos

Na situação atual da pandemia de SARS-Cov-2 e com base no fato de que, até ao momento, não há indicação de que o novo coronavírus seja transmitido por alimentos, podemos refletir sobre os fatores que aumentam o risco de disseminação de doenças animais a humanas.

O desmatamento, frequentemente relacionado a sistemas agrícolas, agricultura e pecuária intensiva, perda de biodiversidade, mercados ilegais de animais silvestres e mudanças climáticas, são fatores com os quais teremos que trabalhar para evitar futuras pandemias.

Todos estes fatores estão relacionados ao conceito de “Uma Saúde”, uma ideia que agora mais do que nunca ganha relevância e que defende que a saúde humana e a saúde animal são interdependentes e, por sua vez, estão intimamente ligadas aos ecossistemas da região. Não podemos afirmar que protegemos a nossa saúde se também não preservarmos a saúde dos animais e do planeta em que todos vivemos.

Maite Pelayo, microbiologista especializado em Segurança Alimentar e porta-voz técnica do Instituto Silestone, explica: “É, sem dúvida, uma tarefa global, transversal e pessoal como consumidor. A maneira como nos relacionamos com os alimentos e a nossa atitude em relação a eles, deve mudar drasticamente se queremos alcançar níveis satisfatórios de segurança no futuro. A era do “egocentrismo alimentar” acabou: não pensemos mais no que comida pode fazer por mim, mas no que podemos fazer pela comida “.


Previous article
Na cozinha também se pode proteger o ambiente